Com o objetivo de informar e elucidar os alunos e a comunidade sobre o tema, o UNIVEM convidou o nutrólogo e clínico geral, Dr. Antônio Braojos Dantas, para discorrer o suicídio

Palestra aponta o “vazio existencial” com uma das causas do suicídio, associado a patologias psiquiátricas (muitas não diagnosticadas ou negligenciadas) e agravado pelo uso abusivo de álcool e indevido de drogas ilícitas .


O prazer a qualquer custo (hedonismo) associado a  “coisificação “ decorrente da transformação do “SER HUMANO” em TER HUMANO”, onde o que importa é o quem TEM e não o que É, leva à exaustão que esvazia ainda mais o “SER HUMANO”, contribuindo efetivamente ,entre outros fatores, aos alarmantes índices de suicídio  entre os jovens de 14 a 25 anos.

Com o objetivo de informar e elucidar os alunos e a comunidade sobre o tema, o UNIVEM convidou o nutrólogo e clínico geral, Dr. Antônio Braojos Dantas, para discorrer o suicídio, o que ele fez de maneira brilhante, por meio da palestra “Suicídio: uma realidade muito próxima de todos”.

Segundo ele, é imprescindível que as pessoas debatam de forma séria o assunto. “A iniciativa do UNIVEM tem de ser repetida, ano a ano, até que os índices de suicídio cheguem a um ponto que não afetem tanto essa juventude que está sofrendo muito com isso. Mais importante que o debate é o enfrentamento do problema”, afirmou. 

De acordo com Dr. Dantas, além da patologia psiquiátrica, tem o quadro, principal, que é o do vazio existencial. “Há o foco errado que o indivíduo vem dando a sua vida. Ele não se encontra, ele não se acha, e assim não consegue enfrentar seus conflitos. 

A palestra contemplou as atividades de prevenção ao suicídio e valorização da vida realizadas pelo UNIVEM ao longo do ano e que despertou o olhar dos alunos sobre o tema, seja por meio de produções artísticas, livros ou discussões que versem sobre os mais diversos tipos de sentimentos.

LIVRO - Com o objetivo de traduzi-los de maneira singular, a ex-aluna do curso de Design Gráfico do UNIVEM, Caroline Ferreira, produziu o livro ComicaMente com textos e ilustrações de crianças de 4 a 6 anos, que, de forma simples, deram voz a sentimentos e emoções tão profundos. O resultado, se transformou em Trabalho de Conclusão de Curso, tema de exposição no Espaço “Gente que Faz” do Centro Universitário e despertou nos alunos do UNIVEM a vontade de colocar “para fora” emoções, por vezes, reprimidas. 

De acordo com a curadora do UNIVEM, Neusa Soares, a palestra vem, de certa forma, acolher os alunos. Vem reforçar o olhar preocupado da instituição com a vida de cada um deles. “Identificamos que há um vazio muito grande em muitos dos nossos alunos e queremos ajudá-los a preencher. A informação e o debate são os melhores caminhos”, frisou.

De acordo com a Pró-reitora Acadêmica, Prof.ª Dr.ª Raquel Ferraroni Sanches, apesar de delicado, é preciso falar sobre o suicídio. “Além das competências técnicas, a instituição precisa trabalhar, também, com as competências socioemocionais dos alunos”, ressaltou. 

“Essa é a missão do UNIVEM, trabalhar pela qualidade e pela valorização da vida de nossos jovens. É importante que eles sintam que estamos de braços abertos para ouvi-los e ajudá-los a encontrar na vida a solução. A morte não é um fim, nem uma saída”, concluiu o Reitor do UNIVEM, Dr. Luiz Carlos de Macedo Soares









COMENTÁRIOS